ÚLTIMAS POSTAGENS

quinta-feira, 31 de julho de 2014

PEQUI

Fruto estranho, o tal pequi
Em tudo desanima
adentrá-lo, daqui:

A casca dura e grossa,
polpa amarela sebosa.
A quem encanta,
ilude e espanta!

Uma coroa sem rei
protege,  magoa.
É decreto-lei!

Talvez a ema se anime,
a dar cabo num pequi
Pois eu prefiro o sublime
e saboroso caqui!










domingo, 6 de julho de 2014

Soneto da anticidade

Planejadores oficiais insistem em fazer de Belo Horizonte
linda linda linda de embalar saudade
mais uma triste anticidade
Carlos Drummond de Andrade




O poeta de Itabira, ao seu tempo, avisara
numa triste canção, hoje visionária, 
o rápido transformar do horizonte,
o lento secar de suas fontes.

Empertigados e solenes burocratas,
em mais uma negociata (que bravata!)
matam o Arrudas, rio de se admirar,
chamando boulevard o ato de enterrar.

Canalizam, retificam - que vantagem!
Reificam, coisificam - tudo imagem!
E o Arrudas a perecer em nossa paisagem.

Em sua calma aparente, docilidade,
ele segue, rio-metáfora (que coragem!)
de nossa triste - e linda - anticidade.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

GREVE

A greve
que ia ser breve
bem manteve
mostrou-se leve
e, será que deve?
nem tão neve
nem tão breve
nem tão greve...

sábado, 4 de janeiro de 2014

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

EU, MODERNA?

Ao Eder Boaventura

"Cansei-me de ser  moderno. Quero ser eterno."
Pablo Picasso

Assim como Deus,
não há solução
para o duelo eterno
entre tradição e ser moderno

Do novo ao arcaico
da poesia ao prosaico,
o poema tudo aceita, 
a ninguém faz desfeita

Pelo moderno me governo:
é sangue materno
Tradição, com razão,
é amor fraterno 

Do arcaico procuro
o ornato, fino trato
Da estética, como retórica, 
forma, apenas teórica, 

não inflama, proclama.
Posto que insana
é moderna tradição
a humana contradição

Tento cá eu também
achar co'meu lugar
O lema, qual tema, 
é experimentar

Escrito em meados de 2012



Veja também:
http://escapadasnoturnas.blogspot.com.br/2011/09/cancao-moda-antiga.html